VC Viana ultrapassa um Esmoriz GC «fora de serviço»

Por em 08/01/2018

 

O ano voleibolístco do Esmoriz GC não começou pelo melhor. Os comandados de Bruno Lima receberam o VC Viana em jogo a contar para 16ª jornada do Campeonato Nacional da I Divisão e perderam por esclarecedores 0-3 (18-25; 26-28; 19-25).

Em dia de reis, os «meninos» foram mesmo os atletas do EGC que, apesar de enfrentarem o penúltimo da classificação, nunca se encontraram na partida e desperdiçaram uma excelente oportunidade de alcançar os 3 pontos. Algo que deixou as contas do 8º lugar mais complicadas e que só não abriu ainda mais o caminho aos rivais diretos dos esmorizenses porque, já ontem, a equipa da Barrinha limpou o erro com uma vitória peremptória sobre o Vitória SC (3-1).

Contra os vianenses, e apesar de todos os 12 convocados terem ido a jogo, fica difícil encontrar alguém do Esmoriz GC que tenha tido uma performance satisfatória. Ainda houve espaço a uns salpicos de qualidade, mas quem marcou presença na bancada do pavilhão viu provavelmente a pior exibição da equipa na presente temporada.

A receção, em particular, esteve bastante desinspirada, mesmo quando o serviço mais controlado do VCV não o antevia. Para além disso, o jogo pelo meio não funcionou e os atacantes de ponta foram obrigados a enfrentar blocos mais cerrados. No entanto, o calcanhar de Aquiles terá mesmo sido o próprio serviço do Esmoriz, aspeto onde se verificaram sequências consecutivas de erro, estatística imperdoável para quem (como aconteceu neste jogo ao EGC) corre atrás do marcador.

Uma pecha que tem sido um entrave à evolução dos esmorizenses durante vários jogos mas que, contra o Viana, se agudizou ainda mais. A tendência de erro levou os atletas da casa a arriscarem menos mas, mesmo quando as suspensão dava lugar à «andorinha», as coisas não pareciam melhorar. Ora o Viana tinha facilidade no side out, ora os erros de serviço continuavam a acumular-se.

Ricardo Lima, técnico dos minhotos, nem sequer precisou de ver o seu Viana superar-se. O oposto José Vieira foi o elemento mais nesta equipa «arranjadinha». Por sua vez (e por falar em arranjos), do outro lado, Bruno Lima tentou arranjar uma solução para a zona 3, lançando de início o central Óscar Barbosa e relegando Mário Fortes para o banco. O ex-Madalena juntou-se aos habituais titulares, Bruno Gonçalves, André Rosa, Ricardo Alvar, José Pinto, Paulo Gomes e Diogo Neto/Pedro Ribeiro (líberos), fez set e meio e saiu de campo sem deixar a sua marca.

Enquanto esteve lá dentro, viu ainda David Marques, Miguel Pimpão e Eduardo Santos serem lançados, todos incapazes de dar uma sapatada na crise. O primeiro set mostrou mesmo o pior Esmoriz GC da tarde – perdeu por 18-25 – e deixou a equipa desconfortável e desconfiada.

No segundo parcial, a equipa da Barrinha ainda conseguiu lutar a ponto de se acreditar que o desafio poderia tomar novo rumo. O EGC beneficiou até de 3 pontos de set, mas desperdiçou-os a todos. Lutava contra si próprio e contra um Viana que precisou apenas de uma oportunidade para ficar a ganhar por 2-0 através de um 28-26 e no aproveitamento de um erro de ataque de Mário Fortes.

Depois do «puxão de orelhas» de ter sido suplente, o cabo-verdiano entrou em campo cheio de vontade e até protagonizou um bloco autoritário na sua primeira intervenção. Mas rapidamente ficou em sintonia com a apatia dos seus colegas e quis a história do jogo que até fosse ele a desperdiçar uma tensa no canto do cisne do 2º set.

O jogo ainda teria um 3º capítulo, mas o destino dos 3 pontos já estava traçado. O EGC andou perto do Viana no marcador, só que nunca oportunou em demasia os nortenhos. A partida fechou com um 25-19, felicidade estampada no rosto dos vencedores e enorme frustração estampada no dos vencidos.

O ambiente quente ainda se prolongou para lá do apito final, com grande contestação à equipa de arbitragem vinda das bancadas e dos elementos da equipa da casa. De facto, tanto o árbitro principal como o segundo árbitro tiveram muitas dificuldades em segurar a partida. Com algumas decisões dúbias, terão tido uma influência negativa no jogo praticado. Influência essa que, sublinhe-se, não é justificação para a derrota do Esmoriz GC.

Pedro Silva foi o repórter da AVfm no local. Ouça a entrevista ao técnico vencedor da partida:

  • Declarações VC Viana | Ricardo Lima:

 

Nem tudo é mau para o reino do EGC. Como já referido anteriormente, a equipa da Barrinha já colocou um penso rápido na «ferida Viana» e venceu bem o Vitória SC no fecho da jornada dupla que abriu o ano. O 3-1 (25-18; 24-26; 26-24; 25-22) contra os vimaranenses permite ao Esmoriz manter o seu 8º lugar, embora tenha mais partidas disputadas que o 9º, o Leixões SC.

Agora há que olhar para o calendário diabólico que se avizinha. Nas próximas 3 jornadas, o Esmoriz GC enfrentará apenas adversários do Top 5 da I Divisão. Primeiro o SL Benfica, depois o Castêlo da Maia GC e, por fim, a AJ Fonte Bastardo. A tarefa é hercúlea mas já há pouca margem de erro: são precisos pontos para segurar o 8º lugar.

 


Fotos: Pedro Silva
Texto: Pedro Silva
Áudio: Jaime Valente

 


Opinião dos leitores

Deixa um comentário

O teu e-mail não será divulgado. Obrigatório*


AVfm

A sua nova rádio de sempre

A passar agora
TITLE
ARTIST