«Liga Allianz, dá cá um abraço que elas estão a chegar!»

Por em 08/05/2018

As seniores femininas da AD Ovarense continuam a dar passos firmes rumo à elite do futebol feminino português. Depois de uma primeira volta de segunda fase do Campeonato de Promoção completamente invicta, as comandadas de Paulo Campino abriram a 4ª jornada no Estádio Marques da Silva e, em Dia da Mãe, voltaram a repetir a façanha de ultrapassar o SC Braga B, uma equipa que, esta época, só perdeu mesmo contra as vareiras.


O magro 1-0 foi suficiente para que a Ovarense chegasse aos 12 pontos na classificação, solidificando o seu primeiro lugar no grupo e ficando apenas a 1 ponto de garantir a subida à Liga Allianz quando ainda faltam 2 jogos para fechar a Série Norte.

Rute Silva voltou a mostrar-se contra as arsenalistas, marcou o golo solitário da Ovarense (aos 35 minutos) e foi o talismã da festa vareira, ela que até se lesionou perto do apito final. No entanto, não foi apenas a camisola 8 a destacar-se no lado das da casa.

Apostando num meio campo com 4 elementos, a Ovarense soube comandar a luta do miolo. Joana Gomes ocupou o vértice mais ofensivo e, na verdade, era a única excluída de tarefas defensivas. Tanto a habitual Diana Gonçalves como Mariana Almeida e Jojó provaram ser autênticos poços de força e estancaram o bom futebol que é conhecido às bracarenses.

Para além disso, no ataque e ao lado de Rute Silva, esteve uma mágica Betinha. Não que a avançado da Ovarense tenha tido um jogo repleto de oportunidades junto da baliza do Braga, mas a verdade é que sempre que Betinha pegava na bola, o seu futebol estonteante era demasiado para as defensoras contrárias. A jogadora alvinegra abriu espaços, fez passes açucarados e ganhou inúmeras faltas só por driblar o esférico.


Do lado das minhotas, o sinal mais chegou quase sempre pelo médio Madalena Lopes e, acima de tudo, pela ala Cris Vieira. Esta última, no flanco, travou um duelo intenso com a capitã da Ovarense, Mariana Campino. A verdade é que ainda levou a melhor por várias ocasiões graças a slaloms individuais. E só não marcou na partida porque, na hora de finalizar, perdia fôlego para alvejar com real perigo a baliza de Lara Sousa.

Ainda assim, as melhores ocasiões de golo pertenceram à Ovarense, principalmente na segunda metade da primeira parte. Foi esse o período de real domínio das vareiras, altura em que conseguiram o golo da partida e protagonizaram outras quantas chances de finalização certeira.

Aos 27 minutos, Mariana Almeida aproveitou uma investida ao ataque para, na esquerda, cruzar rasteiro para o segundo poste. Aí apareceu Rute Silva que ainda emendou… mas contra o ferro direito da baliza de Bárbara Marques.

Menos de 10 minutos depois, aos 34′, foi a vez de Betinha «dançar» sobre as oponentes e fazer um cruzamento perfeito para a cabeça de Rute Silva que, novamente em posição favorável, não acertou com a baliza e atirou por cima.

Rute Silva parecia estar perdulária, mas redimiu-se um minuto depois. Na sequência do pontapé de baliza de Bárbara Marques, a Ovarense ganhou a bola dividida em posição ofensiva e Rute Silva aproveitou para se lançar isolada contra a baliza das bracarenses. Em velocidade e com a bola a saltitar, a avançado atirou de pé esquerdo e fulminou a baliza adversária para o golo da Ovarense.

Rute Silva, acompanhada das suas colegas, correu (e correu muito!) para festejar o golo com Paulo Campino. Já não é a primeira vez que a jovem de 20 anos marca pela Ovarense e faz questão de abraçar o seu treinador como forma de agradecimento. Este que é um sinal claro da união que vive no seio do balneário vareiro.


É certo que a Ovarense não mais criou um fio de jogo capaz de ameaçar constantemente a baliza de Bárbara Marques. No segundo tempo, a melhor ocasião das da casa apareceu mesmo no recomeço, aos 46′. Betinha avançou na esquerda e serviu Joana Gomes para um remate colocado e perigoso.

A etapa complementar teve o domínio das atletas de Nuno Borges mas, mesmo assim, o Braga nunca foi sufocante. As jovens bracarenses tinham a desvantagem de ser menos capazes em termos físicos e nunca chegaram a apostar no jogo direto, mesmo quando o tempo começou a apertar. Assim, e com um futebol mais rápido mas não mais eficaz por parte das minhotas, a Ovarense teve pragmatismo para segurar a vantagem com solidez.

Uma vantagem que se aceita como justa pela forma como a Ovarense geriu os momentos do jogo. Uma equipa que parece aliar cada vez melhor a irreverência da muita juventude que tem e a experiência que tem acumulado ao longo de muitas jogos competitivos que vem fazendo.

Pedro Silva foi o repórter da Rádio AVfm no local. Ouça as declarações dos técnicos:

  • Declarações AD Ovarense | Paulo Campino:

 

  • Declarações SC Braga B | Nuno Borges:

 

Falta apenas um ponto para consumar a subida. Algo que poderia nem ser preciso caso, no outro jogo da Série Norte, a equipa da AJEF Hernâni Gonçalves não tivesse goleado (5-1) a formação da AD Grijó. Assim, a Ovarense pode já ficar descansada na próxima jornada, em Grijó, quando defrontar a equipa local.

Recorde-se que o vencedor desta Série, para além de garantir a subida de divisão, ganha acesso à disputa pelo título nacional do Campeonato de Promoção. Um título que a Ovarense também tem como objetivo.


FICHA DE JOGO

AD Ovarense: Lara Sousa, Ninja, Ema Aleixo, Joana Pinho, Mariana Campino (cap.), Jojó (Sara Lopes, 74′), Diana Gonçalves, Mariana Almeida, Joana Gomes, Betinha, Rute Silva (Sónia Silva, 90’+2).

SC Braga: Bárbara Marques, Sofia Silva (Eduarda Teixeira, 66′), Sara Alves, Kika Silva, Cris Vieira, Guida Leite, Madalena Lopes, Bete Santos (cap.) (Manu Filipe, 78′), Ana Teles, Pipa Ferreira (Inês Costa, 62′), Ophélie Wasner.

Marcadores: Rute Silva (35′).

Veja a fotogaleria do encontro:

 


Fotos: António Silva
Texto: Pedro Silva
Áudio: Jaime Valente


Opinião dos leitores

Deixa um comentário

O teu e-mail não será divulgado. Obrigatório*


AVfm

A sua nova rádio de sempre

A passar agora
TITLE
ARTIST