EGC alcança terceira vitória no campeonato mas Clube K ainda assustou

Por em 07/11/2017

Após 48 horas do desaire no pavilhão da Barrinha, com o SC Espinho, o Esmoriz Ginásio Clube procurava reencontrar-se com a senda das vitórias frente ao Clube Kairós, que até aí somava apenas derrotas. O Esmoriz tinha este Sábado, o primeiro jogo da jornada dupla deste fim-de-semana, e tinha em mãos uma excelente oportunidade de voltar a reconciliar-se com os adeptos. Pelo lado dos açorianos, o melhor resultado, até à altura, tinha sido uma derrota por 1-3 e estavam à procura da primeira surpresa no Continente. No final do jogo, o Esmoriz conquistou os 3 pontos com uma vitória de 3-1 em sets, mas pelo meio ainda sofreu um calafrio (25-23; 20-25; 25-17; 25-20).

Bruno Lima, técnico dos anfitriões, apostou na regularidade dos habituais titulares, alinhando com André Rosa, Zé Pedro, Ricardo Alvar, Mário Fortes, Bruno Gonçalves e o libero Pedro Ribeiro, com o central Paulo Gomes logo pronto a sair do banco.

Já Carlos Silveira, técnico visitante, compôs os 7 elementos mais utilizados em jogo com os nomes de João Resendes, João Campino, Valdir Reis, Ivan Ipostemsky, Coco e o libero Gonçalo Machado, e o central brasileiro Thiago Leite a saltar do banco.

O primeiro set começa da melhor forma para as cores da casa, chegando a atingir, por duas vezes, a vantagem de 3 pontos. Mas depois de um desconto técnico, o K conseguiu conquistar 5 pontos consecutivos, levando para uma vantagem de 7-9, que daria a tónica para o decorrer de quase todo o primeiro set. Ambas equipas completaram o set com paradas e resposta, sem nenhuma delas a conseguir um ascendente sobre a outra por mais de 2 pontos de diferença até ao fim. Apesar dos erros acumulados no serviço do Esmoriz, a afinação na sua recepção esteve perto de perfeita e foi mesmo decisiva para a vitória do set. Zé Pedro e Ricardo Alvar estiveram fortes no ataque para o EGC, com este último a conseguir quase ponto directo no seu serviço, perto do desfecho. Na soma de todas as jogadas, vitória tangencial dos atletas da barrinha por 25-23.

No segundo set a história foi diferente. O Clube K entrou melhor mas, na fase inicial, não conseguiu ampliar a vantagem para uma diferença superior a 2 pontos. Só que o Esmoriz, com 3 serviços falhados pelo meio e dois “servições” do argentino Coco do lado contrário, comprometeu o set ao deixar os visitantes com uma vantagem de 5 pontos (13-18). Até ao fim acumularam erros, alguns infantis (como um passe nas costas do central, com a bola a cair directamente no chão), e era natural terem chegado a uma desvantagem pelo parcial de 18-24 perto do final. Valdir e Ivan estiveram fortes no ataque e sempre muito bem acompanhados pela distribuição de Coco. O resultado de 20-25 espelhou bem o desacerto dos visitados.

A equipa açoriana até conquistou os dois pontos iniciais, mas foram os esmorizenses apoiados nas dificuldades de recepção do k à mudança do serviço de Ricardo Alvar para o andorinha bem atrás da linha final, que levou-os a uma vantagem de 8-3 na partida. Esmoriz de seguida voltou aos erros do costume  permitindo a igualdade, mas foi nessa fase que se deu a mudança decisiva para o rumo do encontro. Bruno Gonçalves que não estava particularmente inspirado na distribuição nesta fase, cedeu o seu lugar a David Marques, e tudo mudou. O Esmoriz renovou energias, cerrou a sua defesa e o ataque explodiu pautado pelo novo “maestro”, com os açorianos a perder a cabeça face ao avolumar da diferença pontual. Valdir Reis viu mesmo um cartão vermelho na recta final “oferecendo” um ponto extra aos caseiros. Até mesmo Coco viu-se substituído por Rodrigo Cabral. Não havia muito a dizer no final com o resultado fixado em 25-17.

Já no quarto e último set, o K ainda ameaçou uma negra com múltiplas vantagens de 2 pontos sobre um adversário que exibia dificuldades em finalizar os pontos. No entanto, após recuperação da formação da barrinha, aos 16-13 selou-se o destino do set. O Esmoriz continuou a superiorizar-se, o treinador açoriano nem com sucessivos descontos técnicos conseguiu estancar os erros na recepção da equipa (inclusivamente do próprio libero), e os atletas da casa redobraram a confiança a cada novo ponto, sem voltar a olhar para trás. Terminou o set com 25-20 que não espelhou de todo a superioridade da equipa esmorizense.

Helder Ferreira esteve no pavilhão do EGC em reportagem para a AVfm. Ouça as entrevistas aos técnicos:

João Rocha – Treinador-adjunto do Esmoriz GC

Carlos Silveira – Treinador do Clube K

 

Bons apontamentos individuais mais uma vez de Ricardo Alvar, bem secundado pelos atacantes, Zé Pedro e André Rosa (sobretudo nos 2 últimos sets), e sobretudo por David Marques, distribuidor suplente, “abanando” com o encontro. No aspecto colectivo, boa nota para as movimentações defensivas do EGC que foram um importante pilar. Todavia, o EGC precisa de rever o capítulo dos serviços, que vem acumulando demasiados erros, se quiser subir um patamar competitivo no seu jogo. Quanto aos açorianos, há muitas coisas ainda por corrigir, dentro delas destacando-se a recepção, obstáculo à qualidade do 2º toque. Individualmente, destacou-se exibição segura de João Campino e Ivan, forte ataque do oposto Valdir e qualidade do argentino Coco, tanto na distribuição como no serviço em suspensão forte.

Este domingo o Esmoriz acabou por conquistar mais um ponto, ao ser derrotado por 3-2 no terreno do Leixões SC pelos parciais de 25-15; 27-29; 19-25; 24-26 e 15-13. Os comandados de Bruno Lima perderam assim uma excelente oportunidade de uma segunda vitória consecutiva.

Na 9ª jornada, não se auspicia “bons ventos”, pois o Esmoriz Ginásio Clube irá certamente ter grandes dificuldades em bater o actual líder, o SL Benfica, na deslocação a Lisboa.

 


Foto: Helder Ferreira
Texto: Helder Ferreira

Opinião dos leitores

Deixa um comentário

O teu e-mail não será divulgado. Obrigatório*


AVfm

A sua nova rádio de sempre

A passar agora
TITLE
ARTIST