Mi-Fá-Dó-Sol | 27 Nov 2019

Carlos Reis e Dino Marques

 

Programa: Mi-Fá-Dó-Sol

De:  Carlos Reis e Dino Marques

Emissão: 27 Nov 2019

Descrição: Programa inteiramente dedicado ao Fado. Realizado por intérpretes do género musical, Mi-Fá-Dó-Sol foca-se na divulgação de artistas e eventos, sem deixar de lado a história e as curiosidades de tão importante património português!

Destaque: Katia Guerreiro

Katia Duarte d’Almeida d’Oliveira Rosado Guerreiro Ochoa, mais conhecida como Katia Guerreiro, nasceu na África do Sul a 23 de Fevereiro de 1976 e é uma fadista Portuguesa e também médica oftalmologista.
Ainda criança vai para a ilha de S. Miguel, nos Açores de onde certamente vem muito da sua inspiração como cantora.
É com a idade de 15 anos, que no Rancho Folclórico de Santa Cecília a tocar um instrumento tradicional do Arquipélago a “Viola da Terra”, que dá início ao seu percurso musical, mas foi em Lisboa que a paixão pelo fado tomou forma, ainda durante o seu curso de graduação em Medicina, mantendo sempre uma intensa ligação à música durante estes anos académicos, como vocalista na banda rock “Os Charruas”.

Trabalhou no Hospital Distrital de Évora e, mais tarde, regressou à capital.
Descobriu a sua veia fadista, em convívio com colegas e, de forma um pouco mais séria, em concertos, após o desafio feito pela parelha de guitarristas formada por Paulo Parreira e João Veiga.
Com a mesma parelha e o viola-baixo Armando Figueiredo, e apadrinhada pelo fadista João Braga, estreou-se em 2001 com o seu primeiro CD Fado Maior que foi Disco de Prata e nomeado para o Prémio José Afonso. O álbum, editado pela Ocarina, conheceu grande sucesso internacional, tendo sido editado na Europa e no Japão pela editora Latina e ainda pioneiro na Coreia do Sul (onde atinge de imediato o Top de Vendas), entre outros temas, inclui fados popularizados por Amália Rodrigues, a sua maior influência, e poemas musicados de Fernando Pessoa, Sophia de Mello Breyner Andresen e António Lobo Antunes.

É em Outubro desse mesmo ano, num concerto de homenagem a Amália Rodrigues, realizado no Coliseu de Lisboa, que Katia abraça o Fado pela primeira vez e encanta a assistência com a sua interpretação, sendo unanimemente considerada a melhor atuação da noite. Começa assim, nesse dia, a sua carreira como cantora de Fado.
Divide a sua vida entre as paixões pela música e pela medicina.
É uma das mais internacionais fadistas portuguesas.
O seu fado caracteriza-se por uma grande riqueza lírica, cantando escritores portugueses contemporâneos, com destaque para António Lobo Antunes.
Em 2003, também pela Ocarina, lançou o álbum Nas Mãos do Fado.
O título é uma referência à mais característica das suas poses em palco: as mãos agarradas atrás das costas. Volta a cantar António Lobo Antunes e, pela primeira vez, visita outra das suas grandes referências, Dulce Pontes.
A presença de Dulce Pontes acentua-se no álbum seguinte, “Tudo ou Nada”, de 2005, em que esta escreveu propositadamente o tema “Caravela”.

Com edição da Som Livre, é o mais ousado dos discos de Katia Guerreiro até então, contando com uma versão de “Saudades do Brasil em Portugal”, do brasileiro Vinícius de Morais, e de “Menina do Alto da Serra”, versão do tema com que Tonicha venceu o Festival RTP da Canção de 1971.
O disco conta ainda com a participação do pianista de jazz Bernardo Sassetti, no tema “Minha Senhora das Dores” com letra de Jorge Rosa e música de Paulo Valentim. Mais uma vez canta António Lobo Antunes e homenageia a poetisa Sophia de Mello Breyner Andresen.
 Também o prestigiado canal cultural francês TV Mezzoproduz, em 2004, um filme que lhe é inteiramente dedicado, o qual é transmitido em Setembro do mesmo ano.
Nos dois tours que faz durante esse ano, Katia brinda a França e o Japão com dez atuações em cada um dos países.
A crítica internacional tem – lhe tecido os maiores elogios, e Katia conta hoje com entrevistas feitas por conceituados meios de comunicação: RTP, TVI, TVE, TV5, NHK, LE MONDE, BBC, entre outros.

Katia Guerreiro leva o Fado a públicos que o desconheciam, e até a alguns artistas, como é o caso do brasileiro Zé Renato, que se interessa pelo estilo musical e a partir daí e com ele, estabelece várias parcerias.
Ao longo de 2004, por diversas vezes é convidada pelo Governo Portuguêspara representar a canção portuguesa, não só em receções oferecidas a Presidentes e Ministros de outros países, de visita a Portugal, mas também fazendo parte da comitiva oficial portuguesa em visitas oficiais por todo o mundo. Nas comemorações do 30º aniversário da Revolução de Abril, Katia Guerreiro é uma das 30 personalidades distinguidas entre as que se notabilizaram, nas mais diversas atividades, nestas primeiras décadas da democracia portuguesa. A par consigo estão cientistas, escritores, maestros, etc.
Em Fevereiro de 2005, Katia é convidada por Martinho da Vila para gravar, em dueto, uma das faixas do seu novo CD: Brasilatinidade.
O cantor brasileiro considera-a a melhor voz da nova geração do Fado.

Em Outubro do mesmo ano, Katia Guerreiro lança no mercado o seu terceiro CD TUDO OU NADA, desta vez com poemas de Vinicius de Moraes, Sophia de Mello Breyner e António Lobo Antunes, entre outros. Conta ainda com a presença do pianista Bernardo Sassetti, que a acompanha na faixa “Minha Senhora das Dores”.
Ainda em 2005 foi apresentada como mandatária da juventude da candidatura de Aníbal Cavaco Silva à Presidência da República para as eleições de 2006.
Em 2006 foi editada uma caixa com os seus primeiros dois discos e o álbum Tudo Ou Nada foi reeditado, que conta com dois temas bónus gravados com Ney Matogrosso, durante a passagem do artista brasileiro por Lisboa.
Um dos temas é a Menina do Alto da Serra, do álbum Tudo ou Nada, e o outro é Lábios de Mel, que faz igualmente parte do último álbum de originais de Ney Matogrosso. Pedro Jóia é o guitarrista que acompanha Katia e Ney nesta incursão luso-brasileira.

Katia Guerreiro é, hoje, uma intérprete consagrada e reconhecida como uma notável embaixadora da música portuguesa. Como corolário da excelência do seu trabalho recebeu, em Fevereiro de 2006, o prémio PERSONALIDADE FEMININA 2005, disputado pelos nomes mais importantes do panorama musical português.
O público que a elegeu considerou-a “uma das mais bonitas vozes da atualidade, aliada a uma invulgar capacidade vocal”.
Igualmente no decurso desse ano de 2006, Katia recebe um convite para inaugurar uma nova Sala de Concertos em Berna, na Suíça, e também para um espetáculo na Ópera de Lyon, em França. Participa ainda, a convite do Ministro da Cultura e Comunicação de França, nos RENCONTRES POUR L’EUROPE DE LA CULTURE, realizados na Comédie Française, em Paris, a par com grandes nomes da cultura europeia e mundial.
Katia termina a sua intervenção – que inclui um discurso na sua própria língua – com um aplaudidíssimo fado cantado «a capella», como ilustração deste género musical.

A sua eloquente defesa da identidade cultural de cada estado membro da União Europeia valeu-lhe a nomeação, no ano seguinte, de Membro do Parlamento Europeu da Cultura.
A convite do Diretor do Centro Cultural Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris, Katia apresenta nesta instituição uma Conferência/Concerto denominada O FADO (o primeiro evento do género, para este tipo de música), com o musicólogo e Professor da Universidade de Évora, Ruy Vieira Nery.
Em Outubro 2008 é lançado um novo álbum de originais de nome FADO MAIOR, com os seus músicos de sempre e o habitual rigor no critério de escolha das letras.
Além da presença de alguns poetas já cantados nos seus trabalhos anteriores, o álbum inclui dois poemas de Fernando Tavares Rodrigues, uma canção de Charles Aznavour dedicada a Lisboa e ainda um poema da autoria da própria Katia, musicado por Rui Veloso.
Em Dezembro de 2009 lança OS FADOS DO FADOum álbum em que recria alguns dos mais célebres fados dos repertórios de Tony de Matos, Max, Tristão da Silva, Hermínia Silva, Teresa Silva Carvalho, João Ferreira Rosa e, claro, Amália Rodrigues.
Sobre esta seleção pessoal, diz a fadista: “Há temas que se tornam referenciais, e constituem etapas pelas quais todos acabamos por passar, como são os temas que escolhi”. Este álbum tem a participação de António Mão-de-Ferro, um músico da área dos blues que Katia considera uma mais-valia de originalidade neste álbum de clássicos.

Em Maio de 2010 – ano em que celebra os seus dez anos de carreira artística – Katia recebe o prémio de “Melhor Intérprete” da Fundação Amália Rodrigues, que atribui anualmente os Prémios Amália.
Após um ano intenso de concertos por todo o mundo, as comemorações do 10º aniversário de carreira culminam com dois espetáculos grandiosos: em Lisboa, no Coliseu dos Recreios, e em Paris, no Alhambra.
10 ANOS NAS ASAS DO FADOé o título do álbum duplo lançado em Novembro deste mesmo ano, um trabalho que regista os melhores momentos da discografia anterior e ainda um cd composto de sete duetos, entre os quais três originais.
Katia Guerreiro já deu concertos por todo o mundo, em locais tão diversos como Japão, Marrocos, Turquia, França, Holanda, Nova Caledónia, Suécia, Brasil, Bulgária, Macau, Rússia ou Espanha.
Uma Fadista de Corpo Inteiro e Alma Imensa
Sempre, e para sempre, fadista! O mais recente álbum de Katia Guerreiro chama-se, inevitavelmente, “Sempre”. E surpreende com um trunfo inesperado: a produção sábia, cirúrgica e imaculada de José Mário Branco que infelizmente nos deixou no passado dia 19 de Novembro.
Unanimemente reconhecida como uma das mais importantes fadistas do novo milénio é, acima de tudo, uma embaixadora do fado e de Portugal nos mais variados círculos culturais internacionais: em prestigiadas salas de todos os continentes e nos mais importantes festivais de músicas do mundo. Recebeu, em Portugal, a Ordem do Infante D. Henrique e, em França, o Grau Chevalier da Ordem das Artes e Letras.
Esta apresentação do seu mais recente álbum no Coliseu do Porto que decorreu no passado dia 21 de Novembro foi, certamente, inesquecível.

Playlist:
Katia Guerreiro – A Janela do Meu Peito
Katia Guerreiro – De Ti Direi Apenas
Katia Guerreiro – A Rosinha dos Limões
Katia Guerreiro – Agora Choro à Vontade
Katia Guerreiro – Algemas
Katia Guerreiro – Amar
Katia Guerreiro – Amor de mel, amor de fel
Kátia Guerreiro – Ancorado em Mim
Katia Guerreiro – Aqui
Katia Guerreiro – Arraial
Katia Guerreiro – As 4 Operaçoes
Katia Guerreiro – Asas
Katia Guerreiro – Fado Dos Olhos
Katia Guerreiro – Brado
Katia Guerreiro – Guitarra triste
Tristão da Silva – Nem às Paredes Confesso



Publicação:
Catarina Pereira
Foto(s): Direitos reservados




AVfm

Rádio global de âmbito local

A passar agora
TITLE
ARTIST