AD Ovarense cai em Avanca e continua a zeros no Campeonato Safina

Por em 26/10/2017

É Artur Marques que o afirma e já ninguém consegue ver o cenário noutra perspetiva: «tudo acontece à AD Ovarense.» À 6ª jornada do Campeonato Safina, a equipa alvinegra voltou a perder, desta feita em casa do AA Avanca e por 1-0, e ainda não conseguiu chegar aos pontos na competição.

Longe vão os jogos em que os adversários goleavam a ADO. A equipa recuperou a coesão que lhe conhecemos e apresenta-se em campo aguerrida e preparada para transpirar. Mas, trabalhando sobre derrotas, ainda está longe de revelar níveis de confiança que lhe permitam a fluidez atacante desejada. Certo é que, a custo e com alguns rasgos, vai tendo as suas chances… o problema é que raramente tem a sorte a acompanhá-la.

Foi esse o registo contra o Avanca, num jogo em que a Ovarense teve períodos de domínio mas onde a batalha física foi o prato forte dos 90 minutos. Por isso mesmo, pode dizer-se que o empate seria o resultado mais justo, algo que não aconteceu graças ao génio de João Valente, autor do golo azul e branco, ao cair do pano.

Abdicando do génio de Tigas, os vareiros entraram em jogo com um meio-campo muito recheado e abordando o dérbi local com esperanças na mobilidade de Renato e Parreira  – atualmente pisando terrenos mais adiantados – para fazer estragos no setor recuado avancanense. Assim, Artur Marques escalou um onze com Samuel Biscaia, Pedrinho, Fábio Pereira, Cocas, David Rocha, Miguel Silva, João Paulo, Fred, Marmelo, Parreira e Renato. Músculo que podia ser tranformado em verticalidade, não só com a entrada do já referido Tigas, mas também com Bruno Afonso, Filipe Lírio ou Zé Pedro, todos sentados no banco de suplentes.

Sob o olhar do técnico Rui Valente, o Avanca até começou mais assertivo, tendo um ligeiro ascendente na posse de bola. Privado da referência Horácio (suspenso), Ibé era o homem mais adiantado dos da casa e teve algumas jogadas individuais de se assinalar. No entanto, era nos pés de Carlitos que residia o maior perigo para a Ovarense. Assistido por Mica, o extremo testou a atenção de Biscaia, aos 18′, num remate em jeito mas sem grande colocação.

Ainda assim, o melhor lance do primeiro tempo foi mesmo para a Ovarense. Corria o minuto 24 quando Xano, central do Avanca, quase sujava a pintura e entregava o golo a João Paulo. O médio da ADO recuperou o esférico em posição adiantada, progrediu sem oposição mas deslumbrou-se com as facilidades. Mesmo isolado, não chegou sequer a rematar à baliza e, à saída de João Oliveira, o máximo que conseguiu foi ganhar o pontapé de canto.

Estava dado o aviso, esta Ovarense queria e podia vencer. Mesmo com Fred e Renato a passar ao lado do encontro, Marmelo e Parreira tinham pilhas para compensar o menor fulgor dos colegas. Como consequência, o jogo tornou-se extremamente equilibrado até ao intervalo e o Avanca teve de recuar para suster uma Ovarense com sede de sucesso.

Puxados por uma bancada lotada de petizes avancanenses, os da casa ameaçariam, no entanto, logo no recomeço. Num livre lateral, aos 48′, um cruzamento/remate faria a bola embater na trave de Samuel Biscaia. Estava dado o mote para novos 20 minutos de maior trabalho para a defesa alvinegra.

Inteligente, Artur Marques agitou a partida, aos 63 minutos, com a entrada de Tigas. Rendendo Fred, o ex-Avanca teve um efeito imediato e galvanizou os colegas para o ataque. Aos 66′, ganhou um livre à entrada da área e deixou a conversão para o especialista Marmelo. Fez bem pois o 21 da Ovarense atirou por cima da barreira e viu João Oliveira fazer a defesa da tarde. Era um golo de antologia!

Aos 76′, o esgotado Parreira cederia o seu lugar a Zé Pedro e este, pouco depois, assistindo Renato, quase via o marcador ser inaugurado. Na circunstância, foi mesmo João Oliveira quem deu uma de Maradona e, perdendo a bola, viu Renato a chutar por cima de uma baliza orfã de guarda-redes e quase deserta de oposição.

Mas o sinal mais vinha mesmo do lado esquerdo do ataque vareiro, onde residia Tigas. Aos 81′, o extremo ganhou espaço no flanco, cruzou com veneno e viu o defesa Bruninho cortar para canto… com a bola a passar a milímetros do golo. Como é que esta não entrou?!

Era o desespero para os Fans 1921 e para o banco da ADO, de onde ainda saltou Bruno Afonso aos 86 minutos.  A Ovarense teve uma segunda parte interessante mas não conseguiu mudar o placard.

E como quem não marca arrisca-se a sofrer, a fava ainda saíria aos pupilos de Artur Marques que, aos 93′, viriam o empate esfurmar-se nos pé esquerdo do récem entrado João Valente. Castigando uma falta de Cocas à entrada da área e que daria expulsão por duplo amarelo ao central alvinegro, o jovem de 19 anos atirou potente e fez a festa em conjunto com uma assistência em polvorosa.

Pedro Silva foi o repórter da AVfm no local. Ouça as entrevistas aos técnicos:

Artur Marques – Treinador do AD Ovarense

André Silva – Treinador do AA Avanca

A Ovarense caiu, tal como em Esmoriz, num dos últimos suspiros do encontro. Um resultado demasiado penalizador para um conjunto que não foi sempre a melhor equipa em campo mas que, quando o foi, criou lances suficientes para chegar ao golo.

Luís Guimarães, árbitro da partida, não se livrou de um enorme coro de protestos à saída para os balneários. Ainda assim, e apesar de algumas decisões duvidosas, não foi pelo homem do apito que a Ovarense perdeu. Pode queixar-se, isso sim, da falta de sorte que já começa a ser gritante para os lados do Marques da Silva.

E, por falar no seu reduto, é lá que se joga o próximo assalto aos pontos para a turma da ADO. Na 7ª jornada, o adversário é o SC Bustelo, conjunto que não deverá facilitar a vida aos locais. Espera-se, portanto, um jogo dividido e uma Ovarense a subir de rendimento na tentativa de fugir ao último lugar da classificação.


Foto: Pedro Silva
Texto: Pedro Silva

Opinião dos leitores

Deixa um comentário

O teu e-mail não será divulgado. Obrigatório*


AVfm

Rádio global de âmbito local

A passar agora
TITLE
ARTIST