Tudo mal ou nem por isso? A Ovarense no antes e depois das Valadas

Por em 24/01/2019

A AD Ovarense fechou a primeira volta de 1ª Divisão Distrital da pior forma. Na 17ª jornada da prova, em visita ao difícil terreno do Canedo FC, os comandados de Artur Marques até estiveram na frente do marcador, mas acabaram derrotados por 2-1 pelo atual 7º classificado da tabela.

Fábio Pereira foi (mais uma vez) o marcador de serviço para os alvinegros. O golo do capitão, aos 68 minutos e na sequência de um canto, colocava o placard em 1-0 a favor da Ovarense. O problema foi o que se seguiu.

Na resposta, o também capitão do Canedo, Nuno Pinto, fez jus às suas características de ponta de lança letal e, com um bis, mudou o figurino do encontro. Primeiro, com um belo cabeceamento após cruzamento do lateral Nuno Gomes; e, depois, na confusão de um canto onde aproveitou para encostar para o fundo das redes de Samuel Biscaia.

Contas feitas, e apesar da Ovarense não ter perdido o 3º lugar com que chegava às Valadas, a equipa vareira viu os rivais do S. Vicente Pereira e Mealhada ganharem-lhe terreno. Os vicentinos foram arrancar um excelente triunfo a Argoncilhe (2-0) e são ainda mais líderes do campeonato porque o Mealhada, embora tenha feito melhor que a Ovarense, não foi além de um empate (1-1) contra o Beira-Vouga, penúltimo classificado.

Na entrada para a segunda metade da competição, a luta pela subida de divisão não podia estar mais animada. Se excluirmos o S. Vicente Pereira – que já comanda com 7 pontos de vantagem para o Mealhada -, são apenas 10 pontos os que separam o 2º e o 8º classificado.

Sabendo que a promoção está reservada para os primeiros quatro da tabela, a Ovarense continua bem lançada. Com 34 pontos, poderá rapidamente escalar até à vice-liderança com uma escorregadela dos mealhadenses e terá a oportunidade de se distanciar mais do Argoncilhe (4º) já no próximo domingo.

Para isso, os vareiros precisam de ir vencer a Santa Maria da Feira, no arranque da segunda volta. Escusado será dizer que a Ovarense sabe de antemão que não terá uma tarefa fácil: a verdade é que o Argoncilhe assume apenas que quer garantir a manutenção o mais depressa possível, mas é talvez a verdadeira «equipa sensação» desta temporada.

Para regressar aos triunfos, a Ovarense poderá munir-se de alguns aspetos positivos que traz do domingo passado. Sim, pois claro, numa derrota nem tudo é mau.

Para começar, em campo, já se nota uma retoma exibicional em relação a partidas um pouco mais cinzentas. A Ovarense não criou muitas oportunidades em Canedo e, de facto, precisou novamente que um defesa fizesse o papel de artilheiro. Mas tem uma ideia de jogo mais estabelecida e, mesmo quando tem de sair a jogar longo, nota-se uma maior capacidade de colocar a bola jogável nos avançados e não só a necessidade de fazê-la chegar ao ataque o mais depressa possível.

Em termos defensivos, a equipa está com uma solidez assinalável. É certo que Nuno Pinto quebrou o último reduto da Ovarense por duas vezes em menos de 5 minutos, mas os dois remates do camisola 9 do Canedo foram mesmo os únicos dois concedidos dentro da área da Ovarense… em toda a partida.

Os números não enganam. Antes de encontrar a equipa de José Neves, a Ovarense tinha apenas sofrido 2 golos nas últimas 5 jornadas. E, para além disso, não sofria dois golos no mesmo jogo desde Novembro(!), aquando da vitória na Gafanha da Nazaré por 3-2.

No patamar onde os alvinegros jogam, os adeptos tornam-se exigentes. A vitória tem de ser uma constante semana após semana e esse é o caminho certo dada a história, ambição e qualidade do habitual onze titular da Ovarense. No entanto, esta não é uma super equipa.

Pedro Silva foi o repórter da Rádio AVfm no Campo das Valadas. Ouça as declarações dos técnicos da partida:

  • AD Ovarense | Artur Marques:
  • Canedo FC | José Neves:

Há alguma falta de opções nas escolhas de Artur Marques – as lesões e saídas do plantel não ajudam – e aquele grupo que, em Setembro, parecia ter profundidade para o que quer que acontecesse, percebe-se agora que está necessitado nalguns aspetos – principalmente no ataque. Serão os recém chegados Vitinha e Samuel a solução?

Para além disso, os adversários estão cada vez mais competitivos. Se, no começo de campeonato, ainda se viam algumas goleadas, agora estamos numa fase onde até os últimos fazem a vida complicada aos primeiros. Todos jogam por um objetivo forte e já há poucos segredos entre as 18 equipas em prova.

A balança dos prós e contras terá de ser atualizada, semana após semana. A nível distrital, a Ovarense tem enorme mediatismo e, por isso, é natural que haja maior burburinho que noutros clubes. Mas, no geral, a sua situação não pode ser extremada: não está tudo bem e não está tudo mal.

Quebrar é fácil, construir nem tanto. Por isso, que se quebre, sim, mas com conta, peso e medida. O clube está no seu trajeto e, enquanto estiver dentro da luta por cumprir o objetivo da subida, precisa de estabilidade. Cabe à direção, adeptos e equipa atingi-la em conjunto.

FICHA DE JOGO | AD Ovarense x Canedo FC | 1ª Divisão AF Aveiro – 17ª Jornada

AD Ovarense: Samuel Biscaia, Parreira, Fábio Pereira (c), Cocas, Bruninho, Bruno Costa, João Paulo, Filipe Lírio, Tiago Marques, Tigas, Horácio
Jogaram ainda: Jonas, Vitinha, Flecha, Sabry
Suplentes não utilizados: Dani Silva, Miguel Silva, Tiago Lopes
Treinador: Artur Marques

Canedo FC: David, Nuno Gomes, Fábio Neves, Manuel Castro, Hélder Felix, Andrezinho, Bruno Estaca, Cristophe, Bruninho, Paulinho, Nuno Pinto (c)
Jogaram ainda: Apolo, João Marcelo, Tiago Tavares, Nélson Fernandes
Suplentes não utilizados: Vítor Barbosa, Patrick Mota, Pedro Oliveira
Treinador: José Neves

Árbitro: Álvaro Santos

Resultado final: 2-1
Resultado ao intervalo: 0-0
Marcadores: Fábio Pereira (68′), Nuno Pinto (72′, 76′)

MVP Rádio AVfm: Nuno Pinto (Canedo FC)
Se os destaques da Ovarense vão para Samuel Biscaia (duas paradas vistosas na primeira parte) e Fábio Pereira (um senhor na defesa e mais um golo apontado), o Homem do Jogo com H grande é Nuno Pinto. O ponta de lança do Canedo foi letal na sua abordagem ao cabeceamento que deu o primeiro golo e teve oportunismo para estar no sítio certo na hora do segundo. Complementou a sua exibição com uma movimentação correta no ataque e um bom apoio aos seus colegas. Vê-se que é dianteiro com créditos firmados e não são os 40 anos que o abalam.


Fotos: Direitos Reservadosa
Texto: Pedro Silva
Áudio: Jaime Valente


Opinião dos leitores

Deixa um comentário

O teu e-mail não será divulgado. Obrigatório*


AVfm

Rádio global de âmbito local

A passar agora
TITLE
ARTIST